Quem sou eu

Minha foto
Viamão, RS, Brazil
Trabalhador, de Esquerda e Socialista!

Meu Site

Meu Site
Um Click e conheça quem é Itamar Santos

Total de visualizações de página

1ª CVS Rs

1ª CVS Rs
6,7 e 8 de Outubro de 2017 na FETAG RS.

1 ª CVS RS

1 ª CVS RS
Fetag RS

Eleição do CES RS

Eleição do CES RS
Eleito Vice Presidente do CES RS em 15-12-16

O Nosso Estado.

O Nosso Estado.
Rio Grande do Sul

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Coletivo ou Global?

Gramaticamente coletivo é um substantivo que indica diversos elementos da mesma espécie, como por exemplo: povo= nação e por ai vai.
Já o coletivismo é uma doutrina ou sistema social em que os bens de produção e consumo são igualmente distribuídos por cada membro da coletividade. Imagina-se que esse sistema venha do período dos homens das cavernas. O ato de "trabalhar e produzir para consumirmos juntos" é a principal característica do coletivismo.
Global é também uma palavra que dá a idéia de redondo, global e daí pensa-se no globo terrestre.
A tão propagada Globalização é uma derivação da palavra global, mas isso não é mera semântica porque a partir dela advem uma doutrina política que basicamente é um processo ainda em curso de integração de economias e mercados nacionais. No entanto, ela compreende mais do que o fluxo monetário e de mercadoria; implica a interdependência dos países e das pessoas, além da uniformização de padrões e está ocorrendo em todo o mundo, também no espaço social e cultural. É chamada de "terceira revolução tecnológica" (processamento, difusão e transmissão de informações) e acredita-se que a globalização define uma nova era da história humana.
A globalização é muito antiga desde os tempos colonialistas onde o comercio e o lucro expandiu o capitalismo, pode-se dizer que a multiplicação dos espaços de lucro (domínio de mercados, locais de investimento e fontes de matérias-primas) conduziu o mundo à globalização.
A partir da década de 90 a globalização se impôs como um fenômeno de dimensão realmente planetária, a partir dos Estados Unidos e da Inglaterra e de quando a tecnologia de informática se associou à de telecomunicações.
Como a interdependência dos países a nível global quando saímos com amigos comer um cheeseburger e tomar Coca-Cola no McDonald's. Em seguida, assiste a um filme de Steven Spielber e volte para casa num carro Ford ou num ônibus Mercedes. Ao chegar, o telefone toca. Você atende num aparelho fabricado pela Siemmens e ouve um amigo lembrando-o de um videoclipe que começou há instantes na televisão: Michael Jackson em seu último lançamento. Você corre e liga o aparelho da marca Mitsubishi. Ao terminar o clipe, decide ouvir um CD do grupo Simply Red gravado pela BMG Ariola Discos, de propriedade da Warner, em seu equipamento Philips.
Essas são ações que algumas pessoas privilegiadas do mundo fazem de forma corriqueira e sem se dar por conta, mas demonstra quantas empresas transnacionais estiveram presentes nesse curto programa de algumas horas. Na verdade, não há atividades que escapem dos efeitos da globalização do capitalismo. Nem mesmo os esportes. Nem a seleção canarinho dispensa o patrocínio da Coca-Cola, ou da Nike símbolos estridente do processo de globalização do capital.
Ao nos depararmos como outra opção de vida, o coletivismo ou socialismo, ficamos desconfiados porque não conhecemos e nunca vivenciamos esta pratica que tem o seu principio no individuo. É a partir de cada cidadão ou cidadã que os problemas do coletivo seram solucionados.
Enganam-se aqueles que avaliam que o pensamento da ideologia da globalização planeja solucionar os problemas a nível planetário, muito pelo contrario, o pensamento globalizante tem com único objetivo a exploração dos povos mais pobres através da venda de seus produtos, a exploração das riquezas do subsolo e da força de trabalho de seus povos.
Outro ledo engano é confundir coletivização com globalização no sentido político dessas palavras, pois são politicamente antagônicas e não foi à explosão demográfica que levou a tentação da coletivização e sim a globalização como forma política de dominação mundial pelas grandes potencias entre elas os EUA e a Inglaterra.
Para que o Princípio da Subsidiariedade, que equivale ao conceito de Estado supletivo. Defendido pela primeira doutrina social da Igreja Católica e próximo das teses do pluralismo inglês e do institucionalismo. Num corpo político, as parcelas, apesar de relacionarem hierarquicamente, cada uma delas desempenha a sua função, ou o seu ofício, e, para tanto, são dotadas de autonomia, a base da diversidade onde a união é conseguida pelo movimento de realização do bem comum seja aplicado obrigatoriamente teremos como povo, tomarmos consciência coletiva de que cada ação individual tem o seu valor e o coletivo deverá respeitá-la.
Portanto a individualização monopolista da produção capitalista imposta pela globalização tem que ser superada.
A tentação não se encontra no pensamento coletivista e sim, no pensamento Globalizante que prevalece o mais forte sobre o mais fraco.
ver.itamarsantos@terra.com.
Viamão,em 10/02/2008.

domingo, 10 de fevereiro de 2008

O Ano começa no dia Primeiro de Janeiro.

Realmente o cada ano inicia no dia primeiro de janeiro, mas tem muita gente que para depreciar uma milenar cultura popular diz em tom de deboche: “No Brasil tudo começa depois do carnaval.” Ditado esse que é um grande blefe, pois através do carnaval podemos perceber que esta festa popular já se transformou em uma grande indústria de lazer aos brasileiros e ao um produto atrativo de nosso turismo.
A partir desta constatação o carnaval gera emprego e renda aos seus trabalhadores, dividendos ao país e mantém viva a cultura popular que se mantém firme frente a todo este apelo comercial. O Carnaval traz para as avenidas de todo o Brasil com seus sambas enredos o resgate da historia e da contemporaneidade da vida do nosso povo demonstrando que além de uma festa é também uma forma de politizar os seus problemas sociais e políticos, desmentindo aqueles que torcem para que seja só mais uma festa alienante.
A vida produtiva e social das escolas de samba funciona o ano todo intimamente inserido na problemática da comunidade em que esta localizada, prestando em muitos casos trabalhos social de importante interesse social.
A origem do Carnaval vem desde muito tempo, estudos informam que as primeiras festas surgiram na Antiguidade.
O Carnaval originário tem início nos cultos agrários da Grécia, de 605 a 527 a.C. Com o surgimento da agricultura, os homens passaram a comemorar a fertilidade e produtividade do solo.
O Carnaval Pagão começa quando Pisistráto oficializa o culto a Dioniso na Grécia, no século VII a.C. e, termina, quando a Igreja Católica adota a festa em 590 d.C.
O primeiro foco de concentração carnavalesca se localizava no Egito. A festa era nada mais que dança e cantoria em volta de fogueiras. Os foliões usavam máscaras e disfarces simbolizando a inexistência de classes sociais.
Depois, a tradição se espalhou por Grécia e Roma, entre o século VII a.C. e VI d.C. A separação da sociedade em classes fazia com que houvesse a necessidade de válvulas de escape, por isso a burguesia da época oferecia a seus escravos (o povo) esta festa que nesta época tinha como atrativo o sexo e bebidas.
Em seguida, o Carnaval chega a Veneza para, então, se espalhar pelo mundo. Diz-se que foi lá que a festa tomou as características atuais: máscaras, fantasias, carros alegóricos, desfiles...
O Carnaval Cristão passa a existir quando a Igreja Católica oficializa a festa, em 590 d.C. Antes, a instituição condenava a festa por seu caráter “pecaminoso”. No entanto, as autoridades eclesiásticas da época se viram num beco sem saída. Não era mais possível proibir o Carnaval. Foi então que houve a imposição de cerimônias oficiais sérias para conter a libertinagem. Mas esse tipo de festa batia de frente com a principal característica do Carnaval: o riso, a brincadeira...
É só em 1545, no Concílio de Trento, que o Carnaval é reconhecido como uma manifestação popular de rua. Em 1582, o Papa Gregório XIII transforma o Calendário Juliano em Gregoriano e estabelece as datas do Carnaval. O motivo da mobilidade da data é não coincidir com a Páscoa Católica, que não pode ter data fixa para não coincidir com a Páscoa dos judeus.
O cálculo é um pouco complexo. Determina-se o equinócio da primavera, que ocorre entra os dias 21 e 22 de março no hemisfério norte. Observando a lua nova que antecede o equinócio, o primeiro domingo após o 14º dia de lua nova é o domingo de Páscoa. Como o primeiro dia da lua nova, antes de 21 de março, é entre 08 de março e 05 de abril, a Páscoa só pode ser entre 22 de março e 25 de abril. O domingo de carnaval é sempre no 7º domingo que antecede ao domingo de Páscoa.
O Carnaval brasileiro surge em 1723, com a chegada de portugueses das Ilhas da Madeira, Açores e Cabo Verde. A principal diversão dos foliões era jogar água nos outros. O primeiro registro de baile é de 1840.
Em 1855 surgiram os primeiros grandes clubes carnavalescos, precursores das atuais escolas de samba. No início século XX, já havia diversos cordões e blocos, que desfilavam pela cidade durante o Carnaval. A primeira escola de samba foi fundada em 1928 no bairro do Estácio e se chamava Deixa Falar. A partir de então, outras foram surgindo até chegarmos à grande festa que vemos hoje.
Apesar de não ser um foliam como samba no pé, preservo essa festa popular como sendo um grande passo de conscientização do povo brasileiro que pode e devem ter lazer sem se deixar alienar-se como queriam os reis da antiguidade.
Até o próximo Primeiro de Janeiro!!!!!!
ver.itamarsantos@terra.com.br
Viamão, 10/02/2008.

6ª Conferência Estadual de Saúde, de 1 a4 de Setembro de 2011, em Tramandaí/RS

14ª Conferência Nacional de Saúde, de 30 de Novembro a 04 de Dezembro, em Brasilia.

1ª Conferência de Saúde Ambiental de Viamão.

1ª Conferência de Saúde Ambiental de Viamão.
Itamar Santos é eleito Delegado à etapa Estadual.

Representantes de Viamão na I Conferência Nacional de Saúde Ambiental-Etapa Estadual

Representantes de Viamão na I Conferência Nacional de Saúde Ambiental-Etapa Estadual
Verônica-PMV, Delmar-ONG, Simone-UAMVI, Itamar Santos-Mov. Sindical.

A Igreja Matriz de Viamão.

A Igreja Matriz de Viamão.
Referência de um Povo.

As 10 estratégias de manipulação midiática, por Noam Chomsky

Neoliberalismo e Globalização. Saiba o que são!

Juizes e suas Mordomias! Isso o JN não mostra.

CHÊ

CHÊ
O Maior Revolucioário que já viveu!!!

Bandeira do nosso time.

Bandeira do nosso time.

Eu sou Gaúcho

Eu sou Gaúcho
Mas,bah! Tche!

fidel

fidel
Um Lider

Saramago disse:

Eu na Internet

Charges que falam por si!!!!

Charges que falam por si!!!!
Sarney

Ataque aos Trabalhadores I

Ataque aos Trabalhadores I
Bm usa cavalaria contra MST em São Gabriel.

Ataque aos Trabalhadores

Ataque aos Trabalhadores
Trabalhadores encurralados pela BM em São Gabriel.

Assassinato do Trabalhador Rural Elton Brum em São Gabriel-RS

Assassinato do Trabalhador Rural Elton Brum em São Gabriel-RS
Marcas do tiro de calibre 12, arma da BM do Governo Yeda(PSDB,PMDB,PTB,PP,DEM) - Fotos do rsurgente-

Assassinato de São Gabriel

Assassinato de São Gabriel
Tiro a traição, da BM, mata trabalhador rural em São Gabriel.

A Guerra.

A Guerra.
BM usa armas de guerra contra MST em São Gabriel.

Paim prestigia ato em Viamão.

Paim prestigia ato em Viamão.
Paim observa discurso de Itamar Santos.

E o Congresso?

E o Congresso?
Sarney

Os Congressistas.

Os Congressistas.
Da coleção Sarney 2009

Visitantes. A partir de 05/10-2009

Paim em Viamão.

Paim em Viamão.
Ronaldo, Senado Paim, Itamar Santos e Ridi.